sexta-feira, 17 de julho de 2015

CRÔNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA, Gabriel Garcia Márquez

Crônica de uma morte anunciada foi o primeiro livro do Gabriel García Márquez que eu li (seguido do - absoluto - Cem anos de solidão, que a qualquer momento vou me encorajar pra escrever uma resenha). 
Gabo é incrível, e para quem conhece sua obra é dispensável qualquer comentário... 
*
176 páginas de boa literatura! (Editora Record)
 “No dia em que iam matá-lo, Santiago Nasar levantou-se às 5 e 30 da manhã para esperar o barco em que chegava o bispo.”

A primeira frase do livro Crônica de uma morte anunciada dá o tom da narrativa: pode até ser uma história sobre homicídio, porém contada de maneira única e incomum!
Como viram, há aparente spoiler, mas é justamente nessa brincadeira de inverter a costumeira ordem com que as histórias são contadas que Gabo nos fisga!

E o que segue depois disso é uma série de pequenos acontecimentos que antecedem o assassinato de Santiago Nasar numa pequena aldeia no litoral da Colômbia. 
*
outra capa editora Record
Logo depois do pomposo casamento, Bayardo San Román foi ´desposar` Ângela Vicário e percebe que ela não é mais virgem. Devolvida à família, a moça "confessa" que o "responsável" foi Santiago. 

"Ela demorou apenas o tempo necessário para dizer o nome. Buscou-o nas trevas, encontrou-o à primeira vista entre tantos e tantos nomes confundíveis deste mundo e do outro, e o deixou cravado na parede com o seu dardo certeiro,como a uma borboleta indefesa cuja sentença estava escrita desde sempre."

Através de um narrador-testemunha, amigo de Santiago, ficaremos sabendo dos motivos e conhecendo os autores do crime. 
Percorreremos ruelas do litoral colombiano enquanto vizinhos dão suas versões sobre o fato, caprichando em detalhes sórdidos - a nível de fofoca - a respeito das famílias envolvidas..
O mais interessante de tudo é que o prenúncio do assassinato estava ululante na comunidade inteira e mesmo assim ninguém tentou impedir!

"Nunca houve morte mais anunciada."

Ficamos apreensivos pra saber mais sobre o que de antemão já sabemos - as circunstâncias da morte de Santiago Nasar. A narrativa é envolve e intrigante, recheada de pormenores bem costurados... com certeza, uma leitura inesquecível!


García Márquez tinha o dom de criar personagens fortes e marcantes, tal como Arcádios e Buendías, e contava histórias com uma maestria incomparável.
Não morra sem ler Gabriel García Márquez!

Um beijo bom,
Camilla.

3 comentários:

Cleuber Roggia disse...

Simmmmm, leia antes de morrer, mesmo que sua morte seja "anunciada", dá tempo. :) livro adorável.

Anônimo disse...

Ótima resenha, deu vontade de ler! Ainda mais depois da experiência com Memoria de mis putas tristes. Aliás, estou com bastante vontade de fazer um intensivão de Gabo e de Saramago para aumentar meu repertório deles ������

P.S.: É a Letícia Ortiz, mas não consigo publicar de outra forma que não anônimo :/

Paulo Sousa disse...

Amei ler o livro. Segui depois o Amor nos tempos do cólera. O Cem anos li há alguns anos...

Ocorreu um erro neste gadget