quinta-feira, 1 de maio de 2014

NO MUNDO DOS LIVROS, José Mindlin

97 páginas: um livro pequeno mas com a grandeza do ideal do escritor. A capa e título já antecipam um pouco o conteúdo.

"Em No mundo dos livros, enquanto expõe sua visão profunda sobre a importância da leitura e sua análise apaixonada de clássicos que lhe marcaram a vida, Mindlin ensina algo que não pode ser aprendido na escola. Aprendemos com ele que o amor pelos livros e pela literatura se constrói pelo exercício de escolher o que se lê e como se lê, criando uma outra biblioteca, que não é física, mas interior, construída pela relação afetiva com títulos, personagens, autores." (orelha do livro)

José Mindlin (1914-2010) foi o maior bibliófilo brasileiro, a julgar por sua imensa biblioteca pessoal de mais de 45 mil livros.
Colecionador inveterado desde a juventude, este simpático leitor fez de todas as histórias lidas a sua própria vida. Ele ganhou fama por ser um apaixonado por livros e grande incentivador da leitura. Era advogado e empresário, mas apenas em 2006 foi eleito pra Academia Brasileira de Letras. Após sua morte, o acervo foi doado integralmente para USP.



No mundo dos livros (2009) é um livrinho rápido de se ler porque é como uma conversa. Li ´numa sentada`, como dizem. Os capítulos são assim intitulados: A importância da leitura; Mundo da leitura; Algumas obras de não ficção; Começo da biblioteca; Garimpagem; Leituras variadas. Nessa pequenina obra ele ressalta um novo conceito de leitura, como sendo fonte de conhecimento e de prazer, além de tecer considerações sobre incentivo de crianças à literatura. Sugere poetas como Gonçalves Dias, Castro Alves, Olavo Bilac, Cecília Meireles, Manuel Bandeira, entre outros. Dentre escritores prediletos, menciona Machado de Assis, Guimarães Rosa, Proust, BalzacTolstóiCervantesSterne e Virginia Woolf.
*
Tire 1h e 19min para assisti à entrevista no Roda Viva, em 1996. IMPERDÍVEL!! 

Mindlin diz que o manuseio de um livro convencional não só estabelece o ritmo de aquisição de conhecimentos pelo autor, como chega a constituir um prazer físico...
(...) Aí percebam todo o significado e simbologida de "companhia de papel". <3

Eu queria ter sido neta do José Mindlin, ou pelo menos poder ter dado um abraço. 

O maior legado é seu lema de vida, porque coaduna com meu próprio lema de vida: "NÃO FAÇO NADA SEM ALEGRIA."


Um beijo bom,
Camilla.

Um comentário:

Livre Espontanea Leitura disse...

Concordo plenamente com esse conceito de leitura! Conhecimento e lazer!
Achei lindo também a forma com que ele falou de que devemos ter uma "biblioteca interior". Muito sensível e qualquer leitor árduo se identificaria.


Beijos!
Juliana
livreeespontanealeitura.blogspot.com

Ocorreu um erro neste gadget