quinta-feira, 28 de novembro de 2013

BARBA ENSOPADA DE SANGUE, Daniel Galera

O clube de leitura companhia de papel reuniu-se no dia 10 de novembro para uma loooonga conversa sobre o livro do mês: Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera, publicado em 2012 pela Companhia das Letras. Quando surgiu a proposta houve quem entendesse "´barbie` ensopada de sangue", acarretando certa preocupação caso crianças se deparassem com o livro pela casa (né Luciano? e Tatiana?).  :P

Se no início o título causou olhares tortos, posso afirmar que depois provocou olhos brilhantes e afoitos! A euforia do debate bem representou a intensidade do enredo e o efeito ímã da narrativa, afinal encaramos um escritor com habilidade ímpar pra conduzir seu leitor por capítulos arenosos e salgados, construindo personagens psicologicamente afetados, mas com carisma malemolente. Durante as 420 e poucas páginas pudemos sentir a maresia de Garopaba, o sabor do chimarrão, a dor da perda e a resignação que a sabedoria ou o tempo é capaz de construir.

O protagonista (não nomeado) tem uma conversa com seu pai e fica sabendo que o avô, Gaudério, teria sido assassinado na cidade de Garopaba, fato encoberto por uma névoa de incertezas e informações desencontradas. Para além dessa notícia surpreendente, o pai abre pro fillho um plano suicida e, dispensando piedade, apenas deseja que sua fiel companheira, a cadela Beta, seja sacrificada.
Após o suicídio, o professor de Educação Física, de alcunha nadador, desconsidera aquele último pedido e com a cadela Beta deixa Porto Alegre rumo a Garopaba/SC na intenção de ali investigar a morte do avô. A história se desenrola nessa cidade do litoral catarinense, à época, castigado pelas enchentes de 2008.

Os maiores trunfos de Galera são a construção das personagens e o foco na própria narrativa e não propriamente num objetivo a ser alcançado. Durante a leitura, sem querer, a gente espera que "algo aconteça" quando na verdade observamos a própria vida "acontecendo" sem grandes sustos ou supresas. É mais ou menos isso que senti ao cabo do Barba: a vida é a soma dos dias, com marés altas ou baixas, tanto faz. Uma sequência de escolhas e não escolhas, como rotineiras apostas na lotérica do bairro desprovidas de esperança concreta de premiação. Confesso que certa feita tive gana de jogar o livro na parede porque ansiava algum evento bombástico. Todavia, somente no final rolou um ligeirão de justificativas que oferecem certo alento ao leitor médio.
Mas o gran finale - que costura e confere sentido ao todo - só aconteceu quando voltei e reli o prólogo (#ficaadica)!
 
Quando o clube de leitura enfrentou as proposições, o tempo de debate pareceu-nos pouco para tanto a ser considerado!! A seguir, alguns pontos:
- impressão e expectativa antes e depois da leitura;
- reação do protagonista como fuga e distanciamento da dor sentida, como uma recusa de encarar os fatos e agir como adulto;
- doença que impede reconhecimento dos rostos x descrição minuciosa das características das pessoas;
- tempo verbal fixado no presente;
- descrição detalhada e precisa do ambiente, praia, natureza;
- representação feminina e papel das mulheres na vida do nadador;
- domínio na construção dos diálogos;
- transição do homem ao mito..
 
 Por acaso, a Tatiana Kuplich encontrou Daniel de bike pelas ruas de Porto Alegre e falou rapidamente com ele, contando da nossa coletiva leitura. Parece que inclusive o convidou pra confraternização de fim de ano do Clube de leitura aqui em Santa Maria! ;) (Confirma aí nos coments, Galera, é sábado, dia 30!)

Esse rapaz vem ganhando premiações literárias, tal como o recente Prêmio São Paulo de Literatura anunciado nesta segunda-feira dia 25/11/2013, mas não é só o Barba que faz sucesso. Convém mencionar as outras obras Até o dia em que o cão morreu, Mãos de Cavalo e Cordilheira, que já coloquei na lista!

 
O Barba ensopada de sangue foi traduzido para pelo menos dez países estrangeiros e, bem dizer, é a obra que está consolidando Galera dentre os melhores escritores contemporâneos nacionais! Vale conferir pra tirar a prova, não?

Um beijo bom,
Camilla.

2 comentários:

Bruna disse...

Adorei, o livro me surpreendeu por completo! Vale muito a pena.

Resenha ótima Camila!

Camilla Caetano disse...

Heeeyy!! Valeu, Bruna!
Bjo e aguardamos o lançamento do teu espaço, hein!?
cami

Ocorreu um erro neste gadget