sábado, 3 de agosto de 2013

TODA POESIA, Paulo Leminski

Poesia exerce uma função artística e provocadora na nossa vida e nem sempre dita um conteúdo belo, harmonioso ou romântico, podendo muito bem dar sacudidelas no espírito, escancarar verdades e contar mentirinhas, agradando paladares de arroz e feijão a trufas negras. Eu, particularmente, não tenho livros específicos de poesia na minha biblioteca, ainda que ali repousem algumas prosas poéticas, a exemplo de A confissão da leoa. Já o meu amigo Luís Octávio Outeiral, além de consumir poesia, escreve! 
Para ler esse gênero é preciso desacelerar e repousar o texto no coração por alguns minutos para, então, sorver o que de melhor ele pode oferecer. Prosa é cerveja, poesia é vinho, muito embora Leminski consiga deixar uma ressaca de vodka.
É ousadia resenhar o Paulo, mas faço pelo bem comum dos que visitam esse singelo blog-diário. Digamos que não é uma resenha, prestando-se mais como orientação terapêutica, tratamento de choque anti gente chata ou autoajuda camuflada.
USE-O como livro de consulta, deixando-o do ladinho da Bíblia na mesa de cabeceira, no banheiro social, no escritório e na sala de espera do seu consultório. Um exemplar para cada ambiente, eu diria. Doses diárias de poesia farão muito bem para qualquer pessoa. Como presente, então, reputo uma dica certeira! Eis uma compra com 100% de custo-benefício: Toda poesia, do Paulo Leminski. (Dia dos pais tá chegando!) 
 
O curitibano nasceu em 24 de agosto de 1944 e morreu em 7 de junho de 1989, e no intervalo foi o escritor mais mais da sua geração. Esse cara brincava de escrever, desafiando a linguagem denotativa e conotativa, ou ambas, tudojuntoemisturado. Minha associação de poesia com ´paz, amor e calmaria` perdeu total sentido ao conhecer Leminski, e a vibe musical que senti é justificável porque ele também foi músico! E amiguinho de Gil, Caetano, etc.. Aliás, o mestre Caetano Veloso disse que “os poemas do Leminski são muito sintéticos, muito concisos, muito rápidos, muito inspirados. Ele é um sujeito gozado. É um personagem muito único”.

Toda poesia reúne 600 (!!!) poemas surpreendentes em 424 páginas. USE-O aleatoriamente e sem moderação. Dependendo da página que abrir você sofrerá bala de tiro ao álvaro, afago de avó ou golpes de judô metafóricos (Leminski tb era faixa preta!). 
Minha edição foi sendo ilustrada por eu mesma ;)
Um mundo mais colorido de poesia, é isso que desejo de agora em diante pra você e pra mim, através desse livro, como uma ideia que existe na cabeça  e não tem a menor pretensão de convencer.

Um beijo bom,
Camilla. 

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget