sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O PARADOXO DA ESCOLHA, Barry Schwartz

Temos uma tendência meio óbvia de se apaixonar loucamente por um texto ou escritor porque ele diz exatamente o que queremos ouvir, ou melhor, o que inconscientemente já sabemos, mas ainda não raciocinamos no plano das palavras!  :)
Foi assim que senti ao ler O PARADOXO DA ESCOLHA, de Barry SchwartzO autor é um psicólogo, professor de Teoria Social e Ação Social da Swarthmore College, na Pennsyvania, EUA. Ele estuda um dos grandes mistérios da vida moderna: por que nas sociedades onde há liberdade e uma variedade de opções de escolha nunca antes vistas (tanto em termos pessoais, quanto profissionais e materiais), os indivíduos não se sentem mais felizes?


A ESCOLHA como fonte de liberdade passa a ser uma fonte de fraqueza, pois quando temos nas nossas mãos a responsa em caso de fracasso revertemos a CULPA pra gente mesmo! E isso é fator de ansiedade porque EXCESSO DE OPÇÕES --> reduz a atratividade daquilo que as pessoas realmente escolhem. Pensar nos aspectos atraentes das opções não escolhidas diminui o prazer proporcionado pela opção escolhida. 
As mina pira frente a um sem número de cores de esmaltes que o mercado dispõe. Que mulher, ao sentar-se na cadeira da manicure, não titubeia sobre que cor escolher? E mesmo quando fica pronta, fica cobiçando aquela que não escolheu (e ainda diz: esse eu usarei na próxima semana!)? Aff!! Que saudade de quando tínhamos apenas três possibilidades: RENDA, CAFÉ e REBU. Perdoem homens machos, mas só mulheres (e homens femininos) entenderão que ´´cores`` são essas. 

Aí está o ponto fundamental que o Schwartz questiona: o dogma universal de que o capitalismo maximizou nossa liberdade, maximizando nossas escolhas, está no âmago do sofrimento que consumidores tem frente a tantas opções! Eu disse ''consumidores'', mas o paradoxo da escolha é relevante noutros âmbitos da vida e isso é abordado no capítulo 2 quando analisa: escolha dos serviços públicos; do seguro-saúde; do plano da aposentadoria; do tratamento médico; da beleza; do trabalho; do amor; do credo; e da própria identidade!! 

Veja-se a Camilla no supermercado semana passada, diante de um produto banal que é o óleo de soja. Até registrei o momento para dizer aos leitores que usei o Uni duni teSalame minguê para colocar no carrinho um simples óleo!! 


Apesar de que compras de bens não-duráveis tenham menos impacto na nossa rotina, não considero exagero o exemplo citado porque o SISTEMA DE ESCOLHA é o mesmo. Decisões de grande porte (geladeira, sofá, marido, profissão,..) tem maiores riscos psicológicos mas o mesmo número infindável de opções..

Schwartz divide as pessoas em maximizadores e satisfazedores.
Os maximizadores buscam a qualquer custo a opção mais vantajosa sempre e vasculham todas as lojas em busca de uma simples meia com o melhor custo/benefício, por exemplo.
Os satisfazedores, por outro lado, assim que encontram a opção que lhes pareça a melhor, param de procurar. Adivinhe qual dos grupos tende a ser menos feliz com as decisões? Os maximizadores, claro! Dentro desse capítulo tem uma série de perguntas/questionário pra identificarmos em que grupo estamos! Noto que tenho sido conscientemente cada vez mais SATISFAZEDORA, quando, por exemplo, sou fiel a determinadas marcas de roupa ou alimento. Óbvio que ''acompanho'' novidades, mas não vou me escabelar porque meu Iphone 4 está obsoleto!! :P

Aquela frase clichê ''Você é o resultado das suas escolhas'' é bem impactante e especialmente verdadeira para o contexto do livro. A liberdade e a autonomia são fatores decisivos para o nosso bem-estar, e isso define quem somos!!
A escolha tem um valor instrumental claro e poderoso: ela permite que as pessoas obtenham o que necessitam e desejam na vida (capítulo 5, p. 123). 
O autor também aborda conceitos como expectativa, custos de oportunidade, trocas compensatórias, adaptação hedonista, arrependimento, comparação.. É uma leitura bastante prática, com exemplos e hipóteses. Com certeza nos faz rever alguns comportamentos!!

Este vídeo a seguir é uma palestra do conteúdo do livro que o próprio autor proferiu no TED - Technology, Entertainment and Design. Para quem não for ler o livro são 20 minutos de motivos para ser convencido djá!!


Ele argumenta que o excesso de opções produz 2 efeitos negativos:
a) produz paralisia, em vez de libertação;
b) mesmo que a gente supere a paralisia e faça uma escolha, acabamos menos satisfeitos com o resultado da escolha do que se tivéssemos menos número de opções (a gente fica pensando naquelas não escolhidas e a alternativa imaginada gera arrependimento na decisão tomada).

Quando escolhemos fazer UMA COISA, estamos escolhendo DEIXAR DE FAZER OUTRAS. E essa sensação de ''perda'' é chamada de custo de oportunidade = abrir mão de coisas
As opções não escolhidas tem inúmeros atrativos (também), e por pensar nisso diminuímos a satisfação com a escolha feita. :P   Exemplo: Estou trabalhando pensando em jogar padel/ estou jogando padel pensando no trabalho. Pode parecer meio confuso, mas isso acontece o tempo todo na nossa vida!
Na área do coração, ouso dizer que os forever alone são maximizadores, porque eles talvez procurem exaustivamente uma pessoa que reúna TODAS as qualidades sonhadas (altas expectativas). (Por certo não querem um grande amor e, sim, um Frankenstein). Considerando que somos mais de 6 bilhões isso é humanamente impossível.. Então os custos de oportunidade se elevam e o percentual de solteiros cresce! o/

Daí, amigos, eu aconselho: ESTEJA ONDE ESTIVER!! 

Esteja onde estiver, desfrute o que estiver fazendo, e não pensando na morte da bezerra ou em como estaria mais feliz se noutro lugar estivesse. 
Não somos onipresentes!! 
A palavra FOCO define a felicidade!
E o mesmo serve para a cafeteira. Dê pulos de alegria com sua cafeteira nova e PARE URGENTEMENTE de continuar pesquisando noutras lojas, noutras cores, que fatalmente você vai vê-la em promoção no Big e vai perder o sono por isso. Sacou? :)


A IMENSIDÃO de possibilidades de escolha em TO-DOS os aspectos da nossa vida PODE OU NÃO causar sofrimento. Entonces:
Na medida em que 
1) nos contentamos com o suficientemente bom e maximizamos menos;
2) controlamos as expectativas em relação às coisas/pessoas;
3) cultivamos uma atitude de gratidão, 
AUMENTAMOS A CHANCE DE SER FELIZ!! 

Concordam? Sim, não, talvez, em partes, com ressalvas? POXA, DECIDAM!! ahahhaha

That's all: um livrinho com 267 páginas de LUZ pra aclarar nossas decisões. 

Um beijo bom, 
Camilla.

6 comentários:

Lari disse...

Tu é demais amiga! até comprei o livro pra exercitar e me tornar satisfazedora! hehehe apesar de já me considerar 70% assim, falta a parte de criar menos expectativa com coisas e pessoas... mas a gente chega lá! bjs!

Nat King Cole disse...

"...cultivamos uma atitude de gratidão..."

*** Bah, tá aí um tema no qual todos nós estamos envolvidos no mundo atual! Conheço gente que se delicia com esta gama de escolhas que temos e lidam bem com isso, outras, contudo, sofrem terrivelmente com a infinitude de escolhas e suas consequências. Talvez, saber o que não se quer seja mais "claro" que que saber o que se quer.....Me parece que não existe a opção N.D.A, temos que fazer escolhas!! É admirável o sujeito que está imerso em tudo isso e , tendo acesso a tudo, consiga manter um espírito simples, porém não simplório, em relação a suas escolhas. Creio que a Espiritualidade e o auto-educar-se sejam úteis e vitais!

**Esses dias estava vendo um amplo estudo de comportamento que concluía:

1) Um grupo de homens em equipe , tende a ter mais FOCO que um mesmo grupo de mulheres em equipe! Porém, as mulheres são mais eficientes sozinhas!

2) PARADOXO: Mesmo com a gama de posssibilidades tecnológicas no mundo das comunicações, as pessoas NUNCA se sentiram tão sós! Ou seja, que nos comunicamos mais, sem dúvida! Mas será que nos comunicamos melhor que antigamente?

http://www.youtube.com/watch?v=E6V6-hBbkgg

bjs

Gabriel Maximo disse...

Camila gostei muito do seu post sobre o livro pois me interesso muito pelo assunto e depois de ler fiquei mega muito curioso para ler, você poderia me informar aonde você comprou?

Camilla Caetano disse...

Gabriel!! Comprei pelo estante virtual! Já tentou por lá??

abraço!
Cami

Gisele Silva disse...

Olá, Gabriel! Tenho um exemplar á venda no mercado livre. Este livro está esgotado.

Camilo A P Oliveira disse...

Olá

Tenho interesse em adquirir um exemplar do livro " O Paradoxo da Escolha"

Ocorreu um erro neste gadget